Categorias
Contas

Dicas para garantir a economia de energia no seu condomínio

Não é novidade para ninguém: a chegada do inverno representa um aumento no consumo de energia, especialmente dos condomínios. Mas, diante do cenário atual, com o combo estiagem e aumento das tarifas, é preciso ficar de olho no consumo de energia e se esforçar para reduzi-lo o máximo possível. A boa notícia é que com atitudes simples tanto pelos síndicos, como pelos condôminos é possível reduzir oconsumo de energia e garantir uma tarifa mais baixa no final do mês. Confira no artigo de hoje, algumas dicas para garantir a economia de energia no seu condomínio.

Substitua as lâmpadas fluorescentes por lâmpadas LED

Você sabia que as lâmpadas de LED reduzem o consumo de energia a 50%? Além disso, as lâmpadas de LED têm uma duração maior do que as lâmpadas incandescentes, cerca de 8 anos em média, e de 25 mil horas, enquanto as lâmpadas comuns duram, em média, de 6.000 a 10.000 horas (cerca de 3 anos).

Outra vantagem é que o investimento em LED se paga em pouco tempo. Como a lâmpada dura milhares de horas, evita-se o desperdício na troca da iluminação e há menos gastos com mão de obra, em geral.

Invista em sensores de iluminação

Para os locais em que o fluxo de pessoas não é constante, como corredores e escadas de emergência, por exemplo, existe a opção de instalação de sensores para a iluminação do ambiente somente quando alguém estiver nele. A simples troca desses componentes já fará uma grande diferença em relação aos gastos com energia no seu condomínio.

Promova programas de incentivo

Em alguns condomínios, já é possível observar a criação de programas de incentivo e até mesmo a oferta de uma recompensa ou desconto para os blocos que conseguirem economizar, por exemplo, x% durante meses determinados. Desta forma, com a divulgação dos resultados, as ações se tornam um hábito entre os condôminos, gerando também maior conscientização tanto para os funcionários quanto para os moradores.

Chame um elevador por vez

Os elevadores são responsáveis por grande parte do consumo de energia dos condomínios. Mas, quem nunca saiu apertando os botões dos elevadores no intuito de chegar mais rápido? O “hábito” acaba exigindo maior energia, tornando o gasto desnecessário. Por isso, sempre vale a orientação do síndico aos moradores. Outra dica é desligar um dos elevadores em horários de menor movimento, como nas madrugadas.

Atitudes dos condôminos

Por fim, é fundamental que os condôminos também façam a sua parte. Atitudes simples como apagar as luzes ao sair do cômodo, manter aparelhos desligados quando não utilizados, investir em eletrodomésticos com consomem menos energia, reduzir o tempo de banho, juntar mais roupas ou louça para acionar a máquina de lavar e evitar o desperdício, sem dúvidas farão uma grande diferença na economia de energia.

Veja também: Economia de água em condomínios: conheça algumas dicas para incentivar o consumo consciente!

Precisando de ajuda? Entre em contato com quem entende de receita garantida!

Categorias
Contas

5 dicas para amenizar os efeitos da inadimplência

A falta de pagamento de aluguel por parte dos condôminos pode dificultar a gestão dos síndicos. Falta de dinheiro em caixa para realizar obras emergenciais e pagar funcionários do condomínio são só alguns problemas causados pela inadimplência.

Se seu condomínio sofre com essa situação, confira cinco dicas para amenizar os efeitos da inadimplência:

Criação de fundo de reserva

O fundo de reserva é a maneira mais tradicional de arrecadar dinheiro para despesas emergenciais do condomínio. Nesses casos, um percentual da taxa condominial deve ter diretamente reservada no fundo. Essa porcentagem, que normalmente varia de 5% a 10%, deve ser estabelecida em assembleia e constar na convenção do condomínio.

O dinheiro disponível no fundo de reserva deve ser usado para garantir o bom funcionamento do condomínio em casos de despesas emergenciais ou grandes obras e reformas. 

Criação de um fundo de prevenção à inadimplência

Se o problema de inadimplência é constante em seu condomínio, a criação de um fundo específico pode ajudar a minimizar os impactos da falta de pagamento. 

Diferente do fundo de reserva, que é retirado diretamente da taxa do condomínio, qualquer outro fundo implica em aumento do valor a ser pago pelos moradores. Por isso, deve ser discutido em assembleia, ordinária ou extraordinária, a fim de evitar mais inadimplência. 

Cobrança eficiente dos condôminos inadimplentes

Cobrar condôminos inadimplentes pode ser uma tarefa desagradável para muitos síndicos. Se o morador já foi notificado de diversas maneiras e o pagamento não for feito dentro de três meses, prefira contratar serviços de cobrança especializada. Assim, evita-se situações constrangedoras e que possam criar tensões entre síndicos e condôminos.

Convocação de assembleias 

Todo e qualquer aumento nas taxas condominiais deve ser discutido em assembleia e notificado para todos os moradores e proprietários. O Código Civil afirma que a previsão orçamentária anual precisa ser votada em assembleia ordinária e, por isso, mudanças de orçamento necessitam ser submetidos à aprovação da maioria dos condôminos.

Contratação de uma garantidora

Uma das maneiras mais eficientes de amenizar os efeitos da inadimplência é com a contratação dos serviços de uma garantidora.

A Garante Deodoro assegura o repasse integral da receita do seu condomínio, independente do pagamento das taxas condominiais por parte dos moradores. Além disso, também realizamos a cobrança de inadimplentes, tirando essa função do síndico. 

Conheça todos os nossos serviços para a gestão financeira do seu condomínio e acabe com os problemas causados pela inadimplência! 

Categorias
Contas

Tudo o que você precisa saber sobre multas de condomínio

A aplicação de multa é uma das ferramentas que o síndico dispõe para garantir que as regras do condomínio sejam cumpridas. Usadas quando as advertências já não surtem efeito, as multas costumam ser o resultado de certos comportamentos inapropriados, como fazer muito barulho em horários inadequados ou danificar as áreas comuns.

É na convenção do condomínio que estão estipulados os tipos de infrações e os valores a serem cobrados, bem como a gravidade de cada ato, já que um morador que coloca em risco a segurança de outros, por exemplo, infringe uma regra mais rigorosa do que aquele que faz mau uso do salão de festas.

O valor da multa varia de acordo com a gravidade da ocorrência e a quantidade de infrações cometidas, porém, de acordo com o artigo 1.336 do Código Civil Brasileiro, há um limite para esse valor, que não pode ser superior a cinco vezes o valor das contribuições mensais do morador. Vale lembrar que a multa deve iniciar com um valor mais baixo, para que possa ser aumentada em caso de reincidência.

Caso o condômino considere a multa injusta ou abusiva, ele tem o direito de recorrer, estando isto previsto na convenção ou não. Nesses casos, é preciso conferir se a multa foi dada seguindo as normas estipuladas na convenção, juntar provas que de sua inocência e entrar em contato com o síndico, pessoalmente ou por carta.

O direito de defesa deve ser realizado em reunião de condomínio, na presença da assembleia geral. Se o acusado tiver razão, os condôminos presentes poderão cancelar a aplicação da multa.

Não deixe as multas se transformarem em dores de cabeça. Conte com a Garante para ajudar a organizar o seu condomínio! Entre em contato: (41) 3224-3794